Como combinar Fontes

Haromiza

Se escolher uma Fonte para um trabalho já não é tarefa fácil, escolher mais de uma complica ainda mais.

Muitos trabalhos exigem que o Diretor de Arte ou Designer tenha mais de uma família tipográfica à disposição.

Títulos, subtítulos, textos, chamadas, boxes, infográficos, ou apenas para dar um estilo diferente na sua criação – as razões para ter mais de uma Fonte são muitas, as regrinhas para acertar na escolha, não.

  1. Combine uma Fonte Sem Serifa com uma Serifada. E vice-versa.
    É uma regrinha bem básica, mas nem por isso menos importante.
    No caso de peças publicitárias, Sem Serifa pros títulos e Serifada pros textos costumam ser escolhas mais acertadas. O mesmo vale para livros e projetos editoriais em geral.
    Dá para fazer o contrário também, títulos Com Serifa e textos Sem Serifa. Dá um ar até mais moderno, mais cool. É como inverter a lógica, o “status quo”. Mas, preste atenção: textos longos em Fonte Sem Serifa costumam ser cansativos.
  2. Use diferentes pesos da mesma família tipográfica.
    Porque não usar pesos e variações da mesma fonte? Algumas famílias apresentam uma variedade bem grande de possibilidades, indo do Extralight até o Extrabold, com opções de Versalete, Italics e Obliques. Famílias como a Helvetica Neue e a Halis Grotesque são bons exemplos disso.
    Ao escolher uma única Fonte seu projeto fica com um ar mais moderno e a necessidade de quebrar a monotonia tipográfica é atendida da mesma forma.
  3. Não combine duas Fontes Sem Serifa ou duas Com Serifa
    Isso não está escrito em pedra, tampouco está em algum tratado da ONU. Ou seja, é uma regra que pode ser quebrada, subvertida. Mas costuma não funcionar.
    O que eu sempre digo é que deve haver uma razão para a escolha, sempre. E escolher para o mesmo trabalho duas Fontes que tragam a mesma sensação, que representem a mesma linha de design, mostra apenas insegurança e desconhecimento do Diretor de Arte sobre o assunto. Não há uma razão para isso.
  4. Contraste é a chave
    Desenhos contrastantes marcam mais, mostram mais personalidade, evidenciam a mão do Designer/Diretor de Arte. E isso vale para a escolha tipográfica. Ao escolher duas Fontes, busque aquelas que tem um contraste em seus desenhos, que tragam concepções diferentes. Trajan com Futura. Bebas Neue com Goudy. Experimente e veja a elegância do contraste diante de seus olhos.
  5. Um é bom. Dois ainda é bom. Três, não é.
    De novo: não é que você vá pegar 100 anos de prisão ou vai ser perseguido pela Lava-Jato se usar mais de duas famílias tipográficas em um mesmo trabalho.
    Mas, em geral, não é preciso, não é uma escolha justificável. Se o trabalho pedir uma terceira variação (Título, texto e box com destaques, por exemplo), tente uma variação de uma das famílias que já está sendo usada no trabalho – Bold, Light, Italic, etc.
    Escolher diversas Fontes é como pensar em decoração, olhando objeto por objeto isoladamente sem pensar no ambiente como um todo. Cada peça pode ter sua beleza, mas o conjunto não fica harmônico.
  6. Por último, evite…
    Comic Sans, Papyrus, Brush Script (principalmente em Caixa Alta!), Curlz, e outras aberrações do gênero.
    Vá por mim.
    Deixe para usar na próxima encarnação.
Anúncios
Publicado em Sem categoria | Marcado com , , | Deixe um comentário

Jogue fora suas Fontes

 

11148496_860098190703172_5776886227162208085_n

Escolher o Tipo de letra correto para o seu trabalho não é tarefa fácil.

Você sabe como é: na hora de escolher, sobram opções e falta critério.

Com ou sem serifa?

Mais moderninha ou mais clássica?

Bold ou Light?

Quanto mais opções, maior a angústia.

Em se tratando de Fontes, a web é um oceano. Pesque com vara.

Eu sei que a tentação é grande. Muitos sites disponibilizam Fontes Free. Elas são legais e podem ajudar na hora do desespero. Mas, não se engane: a maioria não presta. Tem desenhos desequilibrados, faltam caracteres e são muito bobinhas, ou de uso muito restrito.

Fique com as clássicas, principalmente se você é estudante ou iniciante na profissão.

Escolha, digamos, 20 Fontes do seu gosto. Não mais do que isso. Não é preciso. Podem ser 10 Sem Serifa (mais úteis hoje em dia) 7 Serifadas (boas para texto) e mais 3 livres.

Faça esta escolha com critério, perca tempo decidindo quais devem entrar na sua lista tão seleta. Isso irá ter um impacto extraordinário na sua produtividade e na qualidade do seu trabalho, já que terá de escolher numa lista beeeem menor do que a sua atual (ou vai dizer que você não deixa trocentas fontes instaladas?).

Lembre-se: poucas opções significam poucas chances de errar.

Se permite uma sugestão, aí vão algumas Fontes que eu não deixaria fora de jeito nenhum:

Sem Serifa

Helvetica (ah, vá, não me diga!), FuturaMyriadTrade GothicAvenir, DIN e Gill Sans. Essas são clássicas, muito bem desenhadas e equilibradas. Não tem erro. Incluiria, nas 3 que faltam na categoria Sem Serifa, umas opções mais “moderninhas”: Halis Grotesque (minha nova paixão), Bebas Neue (só tem Caixa Alta) e Poplar.

Com Serifa

Caslon (prefiro a da Adobe), Garamond, Minion (não, não é a Fonte do Meu Malvado Favorito), Bodoni (ou Didot, as duas cumprem o mesmo papel), Copperplate, Cochin e Baskerville.

Nas 3 que faltam, uma Slab Serif – Rockwell, uma retrô/moderninha – Cooper Black e uma Fantasia, Manuscrita – escolha uma da sua preferência; eu ficaria com a P22Cezanne.

Pronto. Com este cardápio você não passa fome. Não irá provar todos os sabores que o mundo da Tipografia disponibiliza, mas pelo menos garante uma dieta equilibrada.

E o melhor: sem risco de diarreias.

Bom trabalho!

 

Publicado em Tipografia | Marcado com , , , | Deixe um comentário